Prática Internacional: proteção da propriedade intelectual

pratica internacional 1

As micro e pequenas empresas que protegem sua propriedade intelectual na Europa têm, em média, 30% a mais em lucros. Quem afirma é a advogada e especialista em práticas competitivas e marketing Ann-Charlotte Söderlund Björk, da Gozzo Advokater, em Göteborg. Segundo ela, há estudos na Europa que demonstram essa relação de empresas que realizam ações de proteção de sua propriedade com os lucros, bem como, com a fidelidade dos empregados e a capacidade de pagar salários mais elevados que a média de mercado.

Um exemplo neste mercado é a empresa Hövding que produz sistema de segurança para ciclistas. Um capacete airbag, que fica em torno do pescoço de forma discreta e que só é acionado quando acontece um acidente e é preciso proteger a cabeça e pescoço do ciclista. Já foram vendidas 30 mil unidades na Europa e Japão e graças aos sensores que integram o capacete é possível fazer a análise dos movimentos do usuário 200 vezes por segundo e, em caso de acidente, o sistema de segurança é ativado em um décimo de segundo. “Os estudos mais recentes da Universidade de Stanford indicam que este produto protege até 8 vezes mais do que os capacetes tradicionais”, afirma o diretor executivo da Hövding, Fredrik Carling.

A inovação foi lançada em 2009 e a empresa investe entre 20 mil e 30 mil euros por ano na proteção da sua propriedade intelectual. Hoje a companhia conta com 35 empregados e prevê duplicar anualmente o volume de negócios até 2020. “O investimento na propriedade intelectual permite-nos decidir o ritmo a que queremos avançar no mercado. Em segundo lugar, permite-nos alargar o horizonte do ciclismo para outras aplicações”, aponta Fredrik Carling.

Apesar dos benefícios, menos de 10% das PME europeias protegem a sua propriedade intelectual. Para auxiliar as micro e pequenas a proteger sua propriedade intelectual, a União Europeia criou uma rede de serviços de apoio que ajuda as empresas a darem os passos necessários. Segundo Ann-Charlotte Söderlund, “há outros direitos como a marca registada, o direito de autor, de design, o segredo comercial, que são muito importantes para proteger e comercializar. Para dar esse suporte à proteção da marca e suas propriedades há suporte em diversos pontos, como na China, no sudeste asiático, na América Latina, onde o aconselhamento é gratuito e também são disponibilizadas formações aos empresários”.

pratica internacional 2

Diretor executivo da Hövding, Fredrik Carling.

*Fotos retiradas da internet

Saiba mais:

EuroNews / Business Planet: http://pt.euronews.com/2017/10/06/a-pme-que-cresceu-a-proteger-ideias-e-vidas

Hövding: https://hovding.com/

Programas de apoio na Europa: http://ec.europa.eu/growth/industry/intellectual-property/smes_pt