Agentes de Desenvolvimento: função estratégica para o desenvolvimento do município

AD Usina Governador Jose Richa

Grupo de agentes de desenvolvimento em formação avançada na Usina Governador José Richa

2017 foi um ano de renovação na importante função de agente de desenvolvimento, pessoa que no município assume a função de articulação para que as ações do programa Cidade Empreendedora possam ser colocadas em prática e, assim, o município possa avançar em seu desenvolvimento. Renovação porque muitos novos agentes assumiram a função após as mudanças ocorridas na gestão municipal por conta das eleições para prefeito, acontecidas em 2016.

Ao assumir a função, o agente de desenvolvimento passa por cursos de formação, que oferecem conhecimento e informação sobre as atividades, mas, principalmente, sobre as questões da Lei Geral e do papel que o AD passa a exercer no município. “Os novos agentes de desenvolvimento muitas vezes não sabem exatamente qual é o seu real papel no processo. Pensam que vão atender na Sala do Empreendedor e depois dos cursos, principalmente depois do curso de AD Avançado, eles passam a compreender que a função é estratégica, que eles precisarão agregar muitas pessoas para que os projetos saiam do papel e se tornem realidade”, esclarece Janete Felippe, consultora credenciada do Sebrae/PR, responsável por ministrar os cursos para os ADs. Além do conhecimento profundo sobre a Lei Geral, Janete afirma que o agente de desenvolvimento deve compreender seu papel de articulador e as três forças que impulsionam o desenvolvimento das cidades brasileiras: governança, sustentabilidade e globalização. “O AD sozinho faz pouco, mas se ele agregar as lideranças, compreender como utilizar as forças propulsoras do município, irá conquistar muitos resultados e, assim, promoverá o desenvolvimento”, avalia. Segundo a consultora, os ADs no curso avançado aprendem sobre questões comportamentais, articulação e capacidade de persuasão. “É preciso que todos queiram fazer com o AD. O agente de desenvolvimento que consegue unir em torno da causa tem sucesso ao final do processo.” Isso, porque, uma das barreiras a ser transposta é a falta de recursos financeiros nos órgãos públicos, “então, é preciso captar recursos com as empresas instaladas no município e que podem auxiliar”.

AD Pato Branco (2)

Atividades do curso de formação avançada de ADs em Pato Branco.

Conhecimento e motivação

Janete conta que ao participarem do curso avançado de formação de ADs, os agentes ficam mais críticos, adquirem visão sistêmica, refinam sua capacidade de negociação e persuasão. “Eles voltam ao município mais humildes, porque compreendem que não conseguem fazer sozinhos. Tornam-se mais responsáveis e não sonham, mas planejam, construindo planos de ação consistentes e possíveis de serem realizados”, enfatiza.

Oeste e Sudoeste

Agentes das regiões Oeste e Sudoeste em formação.

Para a agente de desenvolvimento Ana Lucia Ampessan, da cidade de Capanema, a capacitação é muito importante. “Ela mostra qual é exatamente a função do AD, até onde ele pode ir e o que depende dele e dos outros. Nos dá limites, foco e ferramentas para desenvolver a função”, conta. Foi atuando na Associação Comercial da cidade que recebeu o convite para desenvolver a função de AD. “Ela é muito importante para o desenvolvimento municipal”, explica, “sempre estive ligada ao empreendedorismo na cidade. Meu pai foi pioneiro no comércio, já exerci a função de gerente, já fui empresária. Estava atuando na Associação Comercial, com contato direto com os empresários. Isso me deu confiança para aceitar o desafio. Além disso, a proposta da gestão municipal para o desenvolvimento da cidade é muito interessante, a prefeitura está aberta a ações e projetos, bem como, os órgãos internos, como a Tributação. Assim, tenho confiança que as ações acontecerão e darão resultado”, confirma. Para Ana Lucia um dos desafios, sem dúvida, é integrar as pessoas aos projetos para poder fazer com que as ações saiam do papel. “A ideia na cabeça é uma coisa, na prática é preciso agregar muitas pessoas, articular para ver resultados. É preciso incluir as pessoas no processo.”

AD Oeste e Sudoeste I

Turma de formação avançada de Agentes de Desenvolvimento das regiões Oeste e Sudoeste.

Novidade

Franz Luis Nunes, agente de desenvolvimento em Cândido de Abreu, conta que a função para ele era uma novidade. “O AD do município era o senhor Darci Schactae. Na época, ele me convidou a participar do Comitê Gestor de Desenvolvimento, e quando dei por fé ele já tinha transferido a responsabilidade de AD para mim. Inauguramos a Sala do Empreendedor em 2015 e eu já atuava como agente”, conta Franz. Sem ter atuado antes na função, Franz é fiscal de tributos na Prefeitura, exercendo atualmente as duas atividades. “Tenho contato direto com as empresas e isto facilita em parte o meu trabalho, mas, em contrapartida, trabalho sozinho e isto é um agravante no tocante ao desempenho destas duas funções’, comenta. Sobre a formação como AD, ele enfatiza a importância. “Excelente! Um vasto horizonte se abriu. Aprendi muito nas capacitações. Aprendi coisas que não se aprende em nenhuma outra escola, e isto torna-se um facilitador no dia a dia para que se possa dar um atendimento de qualidade para as pessoas.” Para ele, o mais relevante na atuação como AD é “poder atender as pessoas que necessitam e fazer sempre o melhor possível.”

 

AD Pato Branco

Os agentes de desenvolvimento passam por formação avançada em Pato Branco.